BEM-VINDA AO BLOG DO GAPENDI!

Endometriose: SabendEndo e ApredendEndo a Conviver!

quinta-feira, 5 de julho de 2012

O DIAGNÓSTICO DA ENDOMETRIOSE: 2a. PARTE


Falamos na postagem anterior sobre as dificuldades e desafios no diagnóstico da endometriose. Também concluímos que o diagnóstico pode passar por quatro momentos distintos: o exame clínico, os exames laboratoriais, os exames de imagem e a videolaparoscopia. Explicamos, ainda, que esta doença pode apresentar diferentes tipos de lesões, em diversas localizações da pelve, podendo ser: superficiais; na forma de endometriomas e também profundas ou infiltrativas.

As lesões superficiais dificilmente são vistas pelos exames de imagem, sendo apenas diagnosticadas através da cirurgia por videolaparoscopia. Já os “endometriomas” e as lesões de endometriose profunda podem ser diagnosticados com precisão através dos exames de imagem especializados, que seriam a Ultrassonografia Transvaginal com Preparo Intestinal e a Ressonância Magnética da Pelve com Protocolo de Endometriose.

Mas, de que forma estes exames conseguem visualizar as lesões e como é feito o diagnóstico? Quais são as informações importantes que devem constar nestes exames? Como deve ser o preparo e em que momento devem ser realizados? São exames confiáveis?

Ao longo deste texto, tentaremos responder a estas perguntas, lembrando que editamos dois vídeos didáticos com nossa convidada, Dra. Luciana Chamié, onde também é possível compreender sobre a importância do diagnóstico por imagem da endometriose profunda.

Além disto, é importante também que se possa ler a primeira parte desta postagem, intitulada ODiagnóstico da Endometriose: 1ª. Parte, a fim de que se possa compreender melhor o assunto em questão.



I – A IMPORTÂNCIA DO DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

a) A importância no pré-operatório e pós-operatório

Os exames de imagem especializados são essenciais para diagnosticar não apenas as lesões ovarianas, como os endometriomas, mas principalmente as lesões profundas ou infiltrativas que são aquelas que caracterizam um tipo de endometriose avançada e que tem sido cada vez mais frequente.

Como explicamos na postagem anterior, as lesões profundas são aquelas que ultrapassam o peritônio por mais de 5mm de profundidade. Isto quer dizer que são encontradas abaixo da camada do peritônio e, portanto, nem sempre podem ser visualizadas através da videolaparoscopia.

Para entender melhor esta questão, podemos comparar as lesões de endometriose com um “Iceberg”, conforme a figura abaixo.



A ponta do Iceberg representaria a parte da lesão profunda que pode ser visualizada durante a videolaparoscopia, pois se encontra acima do peritônio. Porém, esta mesma lesão pode se estender abaixo do peritônio, sendo de difícil visualização, mesmo durante a cirurgia. Neste caso, o melhor método para diagnosticá-la seria através de exames específicos de imagem, que não somente conseguem detectar a presença de uma lesão sub-peritoneal, mas também são capazes de descrevê-la, dimensiona-la, observar as estruturas comprometidas e o grau da infiltração. Daí a importância do diagnóstico por imagem da endometriose ser realizado antes da Videolaparoscopia, pois com as informações obtidas, o cirurgião poderá, com segurança, planejar como deverá abordar e tratar todas as lesões profundas da paciente em um único procedimento cirúrgico.

É importante lembrar que os exames de imagem são igualmente importantes no seguimento da paciente pós-tratamento cirúrgico. De acordo com a Dra. Luciana Chamié, geralmente, devem ser solicitados três ou até seis meses após o procedimento cirúrgico, pois desta forma já é possível visualizar recidiva ou persistência de lesão, bem como realizar um acompanhamento da recuperação da paciente.

b) A importância do examinador

Os exames de imagem para diagnosticar a endometriose, geralmente, vêm acompanhados do termo “especializados”, porque apesar de serem aparentemente “convencionais”, só podem ser realizados por médicos radiologistas que se especializaram no diagnóstico da endometriose.

O médico que irá realizar este exame tem papel fundamental no laudo que irá fornecer. Isto porque, como dissemos anteriormente, a endometriose é ainda uma doença completamente desconhecida, inclusive entre a classe médica. Além disto, é complexa, podendo se apresentar de diferentes formas, o que pode confundir os radiologistas que não estão acostumados a diagnosticá-la.

Portanto, antes de realizar o exame, deve-se ter certeza de que o radiologista está capacitado e treinado para diagnosticar a endometriose, do contrário, pode acontecer do exame vir com o resultado dentro dos padrões “normais”, sem mencionar a endometriose, mesmo quando ela está presente.

II – OS TIPOS DE LESÕES DIAGNOSTICADAS ATRAVÉS DOS EXAMES DE IMAGEM

Como vimos na postagem anterior, além do peritônio e dos ovários, a endometriose pode estar presente em qualquer parte da pelve feminina, entretanto, de acordo com a Dra. Luciana Chamié, na Endometriose Profunda, vários órgãos e regiões podem ser afetados, como mostra a figura abaixo:

Regiões acometidas pela Endometriose Profunda
A seguir descreveremos os espaços e órgãos em que se pode observar, principalmente, a presença da Endometriose Profunda e que podem ser visualizados e diagnosticados através dos exames de imagem:

1º - Espaço Vésico-Uterino: É uma região que fica entre a parede anterior do útero e a parede posterior da bexiga. As lesões nesta região podem aparecer, principalmente, na cúpula da bexiga e nos ligamentos redondos que sustentam a porção anterior do útero.



2º - Região Retrocervical: De acordo com a Dra. Luciana Chamié, esta é a região mais atingida pela Endometriose Profunda. Ela está localizada atrás do Colo ou Cérvix Uterino e engloba o tórus uterino, os ligamentos útero-sacros (de sustentação do útero), região retrocervical inferior, parede posterior do útero, o fundo da vagina, o fundo de saco posterior e ao longo de toda parede anterior do retossigmóide.




3º - Vagina: A Endometriose pode causar áreas de espessamento na parede posterior da cúpula vaginal, ou aparecer na forma de nódulos ou pequenos cistos, podendo causar fortes dores nas relações sexuais.



4º - Intestino: A Endometriose pode estar presente com frequência na região retossigmóide que compreende a parede do Reto e do Cólon Sigmóide. Às vezes, como sugere a Dra. Luciana Chamié, também pode se apresentar em outras partes do intestino, como o apêndice, o íleo terminal e o ceco. Neste caso, é importante lembrar que, diferente de outras patologias do intestino, a endometriose atinge as camadas intestinais de fora para dentro, isto é, raramente atinge a mucosa (camada mais interna). Por isto, alguns exames como a Colonoscopia (que “olha” o intestino por dentro) não consegue visualizar estas lesões.


5º - Ureteres: Conforme explica a Dra. Luciana Chamié, as lesões nos ureteres são originadas a partir das lesões localizadas em outros órgãos, como nos ligamentos útero-sacros, ligamentos largos ou ovários. Estas lesões podem comprimir extrinsecamente (por fora) o ureter, ocasionando formações nodulares em um ou ambos os ureteres.

O laudo de um exame de imagem especializado mostra não somente estas regiões aonde podem ser encontradas as lesões, mas também descreve:

O tamanho das lesões (suas dimensões);
* As estruturas que estão sendo comprometidas;
O grau de infiltração, isto é, o quanto a lesão está invadindo o órgão ou região acometida;
A distância da lesão intestinal em relação à borda anal (importante informação para o planejamento cirúrgico).


III – CONHECENDO SOBRE OS PRINCIPAIS EXAMES DE IMAGEM

1. ULTRASSONOGRAFIA TRANSVAGINAL COM PREPARO INTESTINAL



A ultrassonografia transvaginal é realizada com um aparelho, chamado transdutor, inserido através da vagina, e que utiliza ondas sonoras para visualizar a imagem dos órgãos e estruturas pélvicas. É usualmente indicado nos consultórios ginecológicos, sendo considerado um exame de rotina.

Porém, muitas mulheres que tem endometriose, afirmam ter realizado diversas vezes este exame, sem nunca ter obtido um laudo que confirmasse a doença.

Isto acontece porque no exame de ultrassonografia convencional é possível visualizar claramente órgãos e estruturas que são sólidas e uniformes tais como útero, ovários, trompas; além dos órgãos que são cheios de fluidos, como a bexiga, por exemplo. Entretanto, os órgãos que contem gases e resíduos, como os intestinos, não são tão bem captados neste modo “convencional”, deixando muitas dúvidas, ao examinador, sobre possíveis alterações, incluindo lesões de endometriose presentes na parede intestinal.

Por este motivo, descobriu-se que se a paciente realizasse um prévio preparo intestinal, as alterações e lesões ficariam mais evidentes, especialmente no retossigmóide, que como vimos é uma das localizações mais frequentemente acometidas pela endometriose intestinal.

O preparo intestinal na realização deste exame, também se tornou importante, inclusive para a visualização das lesões de endometriose em outras regiões, pois muitas vezes os gases intestinais causam “zonas de penumbra” que atrapalham, inclusive, a visualização dos ovários e outras regiões que podem estar comprometidas. Portanto, o preparo intestinal é de extrema importância para este exame. Nas figuras abaixo é possível entender melhor esta questão:



De acordo com a Dra. Luciana Chamié, nas imagens sem preparo intestinal é até possível visualizar a lesão, embora a imagem não seja tão nítida quanto no exame com preparo. Neste caso, o médico consegue não apenas visualizar as lesões, mas também definir onde começam e onde terminam, descrevendo claramente as estruturas que estão comprometidas.
Vamos, agora, entender um pouco melhor como é feito este exame e o preparo intestinal:

a) Como é realizado a Ultrassonografia Transvaginal com Preparo Intestinal?

Como nos explica a Dra. Luciana Chamié, este exame pode demorar, em média, entre 20 a 30 minutos. O exame é feito pela via transvaginal, mas deve ser complementado pela via transabdominal (por cima da barriga). Além dos órgãos pélvicos, também é examinado as vias urinárias e outras regiões, de acordo com o pedido do médico. Em alguns casos, o exame pode ser desconfortável, especialmente, porque é necessário realizar determinados movimentos com o transdutor, a fim de se conseguir a melhor imagem possível. O exame pode ser realizado em qualquer momento do ciclo menstrual, porém como alerta a Dra. Luciana, é melhor que se evite fazê-lo durante a menstruação, já que se trata de um período onde as pacientes sentem muitas dores, e fazer o exame nestas condições, pode ser muito desconfortável. É importante lembrar que pacientes virgens não podem realizar este exame, somente a pesquisa por via transabdominal. A seguir aprenderemos informações a respeito do preparo intestinal.


b) Como é feito o preparo intestinal?

O preparo é realizado na véspera e no dia do exame. É bastante simples e fácil de ser realizado. As instruções detalhadas, geralmente, são fornecidas pela clínica aonde se realizará o exame. Para que se tenha uma ideia de como se deve realiza-lo, transcrevemos abaixo o preparo proposto pela Clínica “Chamié Imagem da Mulher”:



Como deu para perceber, o preparo intestinal é de suma importância na realização deste exame, entretanto se acontecer de chegar no dia e for constatado que o preparo não foi satisfatório, há a possibilidade de se realizar a aplicação do Phosfoenema antes do procedimento, para que o reto esteja limpo e facilite o exame.


c) O que pode ser visualizado neste exame?

A ultrassonografia transvaginal com preparo intestinal visualiza principalmente aquelas lesões de Endometriose Profunda, que se encontram abaixo do peritônio. Consegue identificar com precisão, por exemplo, uma lesão na parede intestinal, descrevendo sua dimensão e as camadas do intestino que está comprometendo. É possível também saber a distância da “borda anal” em que se encontra esta lesão, o que é uma importante informação ao médico cirurgião. Além disto, nesta ultrassonografia é possível visualizar focos ovarianos, como os endometriomas, e também os focos na região retrocervical (atrás do útero). O examinador consegue ainda identificar a presença de aderências pélvicas, pois como se trata de um exame dinâmico, é possível ao médico tentar fazer deslizar, por exemplo, os ovários, identificando se estão livres ou fixos, sugerindo ou não a presença de aderências pélvicas.


d) Quais são as limitações para este exame?

De acordo com a dra. Luciana Chamié, as principais limitações deste exame estão relacionadas com o campo de visão restrito, especialmente quando existem lesões localizadas fora da pelve. Além disto, alguns casos específicos, como pacientes que apresentam vários miomas uterinos, ovários aumentados de volume pela presença de endometriomas, processos aderenciais muito intensos também podem dificultar a visualização das imagens.


2. RESSONÂNCIA MAGNÉTICA DA PELVE COM PROTOCOLO DE ENDOMETRIOSE




A Ressonância Magnética é um exame que obtém imagens dos órgãos, em alta definição, através da utilização do campo magnético. Ela é capaz de captar as imagens em qualquer plano: axial (horizontal), sagital (quando é possível observar as imagens do corpo de forma simétrica do lado direito e esquerdo) ou coronal (divide o corpo em partes anterior e posterior) sem a necessidade de movimentação da paciente, como acontece, por exemplo, em um exame de Raio-X.


Este exame têm se mostrado bastante útil nas visualizações de determinadas lesões de endometriose, especialmente as ovarianas. Também é utilizado para visualizar lesões vaginais, avaliar o útero, e também lesões que possam estar presentes nos ureteres. Entretanto, em se tratando do diagnóstico da endometriose, é preciso seguir algumas recomendações, ou um protocolo, que facilita a obtenção e principalmente a interpretação das imagens pelo examinador.


A seguir veremos algumas dúvidas mais frequentes a respeito deste exame:


a) Como é feito o exame e quanto tempo demora?


Na Ressonância Magnética a paciente deve permanecer deitada, imóvel durante todo o tempo do exame. Como explica a dra. Luciana Chamié, o exame pode levar de 20 a 25 minutos para ser realizado. O exame não causa dores, mas pode ser desconfortável, uma vez que a paciente deve permanecer imóvel durante todo o procedimento. Da mesma forma como acontece na Ultrassonografia Transvaginal com Preparo Intestinal, não existe um período específico do ciclo menstrual para a realização deste exame. Até porque as lesões de endometriose são crônicas e visíveis em qualquer período do ciclo. Entretanto, como mencionamos anteriormente, é aconselhável evitar o período menstrual, por ser naturalmente mais sensível em relação às dores e cólicas. Vale lembrar, ainda, que este é um exame que pode ser feito sem problemas por pacientes virgens.


b) Do que se trata o “protocolo de endometriose” para este exame?

Como vimos, na Ressonância Magnética para pesquisa de endometriose, deve-se seguir um “protocolo” de procedimentos que consiste em realizar um prévio preparo intestinal (o mesmo feito na ultrassonografia) e o uso do gel vaginal, que é colocado minutos antes do exame. Pode-se também utilizar o contraste, entretanto, de acordo com pesquisas, ele não é crucial para visualizar as lesões de endometriose, sendo utilizado, apenas, para diagnosticar outras possíveis patologias.

A recomendação para o preparo intestinal segue os mesmo motivos já comentados para a realização da ultrassonografia, ou seja, quando o intestino não está limpo, os gases e conteúdos fecais, podem atrapalhar a visualização das imagens. Além disto, o movimento intestinal também pode atrapalhar na captação das imagens da ressonância.

Já a utilização do gel vaginal, como explica a dra. Luciana Chamié, serve para facilitar a visualização da vagina, bem como as lesões de endometriose que podem estar presentes neste órgão.

É importante falar que o “protocolo de endometriose” pode ser diferente de acordo com a clínica aonde será realizada a Ressonância. Por exemplo, alguns serviços utilizam também o gel para distenção do reto, mas não é uma regra. Cada examinador tem uma maneira de trabalhar e a paciente deve seguir as recomendações que lhe forem prescritas, entretanto deve certificar-se, junto à clínica, que o médico radiologista, responsável pela realização do exame, tenha experiência e treinamento específico no diagnóstico por imagem da endometriose.


c) Quais são as limitações para este exame?

Assim como a ultrassonografia, a Ressonância Magnética também apresenta algumas limitações. Como nos explica a dra. Luciana Chamié, a presença de miomas e cistos ovarianos muito volumosos podem atrapalhar na visualização das imagens obtidas. Entretanto, a pior limitação da Ressonância Magnética, está ligada aos movimentos intestinais, pois se trata de um método extremamente sensível a estes movimentos, que podem atrapalhar na obtenção das imagens. Por este motivo é que se utiliza o “Buscopan” por via intravenosa durante o exame, com o objetivo de diminuir o movimento das alças intestinais.


IV – CONCLUSÃO

Tendo em vista tudo que foi falado nestes dois textos sobre o Diagnóstico da Endometriose, ficou claro como é importante que se façam os exames específicos para diagnosticar, especialmente a Endometriose Profunda.

Atualmente, a Ultrassonografia Transvaginal com Preparo Intestinal e a Ressonância Magnética da Pelve com Protocolo de Endometriose são os dois melhores exames de imagem para avaliação e diagnóstico da Endometriose. Ambos possuem uma acurácia (margem de confiabilidade) muito alta, podendo chegar a 90-95% de acerto. E são extremamente importantes de serem realizados especialmente antes da videolaparoscopia.

Geralmente, recomenda-se que a pesquisa de Endometriose se inicie pela Ultrassonografia e depois seja complementada pela Ressonância Magnética. Entretanto, se for para escolher um destes dois exames, como sugere a dra. Luciana Chamié, não importa qual será feito, desde que seja realizado por um especialista em Endometriose, do contrário, pode-se não ter o resultado desejado e correto no laudo.

Texto escrito por Luciana T. Golegã Diamante

Para entender mais sobre o Diagnóstico da Endometriose, vejam os dois vídeos que o GAPENDI realizou com a Dra. Luciana Chamié, e leiam as duas postagens feitas sobre o assunto.

1º Vídeo:

*CLIQUE AQUI e leia também o texto da 1a. Parte sobre o "Diagnóstico da Endometriose"

O GAPENDI mantem uma parceria com a Clínica Chamié Imagem da Mulher para a realização da Ultrassonografia Transvaginal com Preparo Intestinal, oferecendo um desconto no valor deste exame. As interessadas em realizar este exame nesta clínica, devem ser seguidoras do nosso blog e enviar um e-mail para gapendi@hotmail.com para receber as instruções de como será concedido o desconto.

--------------------------------------------------------------------------------

Fontes:
1. Chamié, Luciana Pardini; Blasbalg, Roberto. Texto: ‘Endometriose Profunda”
2. Site: www.chamie.com.br
3. Todas as imagens da pelve feminina deste texto foram gentilmente cedidas pela Dra. Luciana Chamié e não podem ser copiadas ou reproduzidas sem a devida autorização. As demais imagens foram retiradas do Google Imagens.

©TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. Proibida a reprodução parcial ou total, por qualquer meio, sem a devida e expressa autorização da autora.





34 comentários:

  1. Gostaria de saber qual a diferença de endometriose e endometrite ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amiga! Existe sim diferença entre estas duas doenças!

      A causa mais comum da endometrite é a infecção, quer se trate de endometrite clamidial ou de gonocócica. Ocorre com freqüência em pacientes com salpingite, endometrite tuberculosa, endometrite purulenta ou endometrite posterior a uma instrumentação ou cirurgia. Pode ocorrer após o nascimento, após um aborto (terapêutico, eletivo ou espontâneo - todos levam ao aborto séptico) ou pela inserção de um dispositivo intra-uterino (DIU).

      Já a endometriose, não ocorre por uma infecção, mas se caracteriza pela presença de células do endométrio (que é a camada que reveste internamente o útero) em outras partes da pelve, ou seja, nos ovários, trompas, intestino, bexiga e etc. Estes implantes de endométrio se comportam como se estivessem dentro do útero, ou seja, sob influencia hormonal eles se enchem de sangue e depois descamam, porém, o sangue não tem para onde sair e se acumula dentro da barriga, na pelve, causando muita dor e inflamação.

      Basicamente, seria esta a diferença. Ok?
      Bjsss

      Excluir
  2. eu sempre fazia a ultra normal, nem sabia que existia esse exame com protocolo para endometriose. Obrigada gapendi por mais uma vez nos passar informações sobre a endometriose.
    já no aguardo do proximo texto.

    ResponderExcluir
  3. Excelente explicação! Muito bom meninas! Estava ansiosa para ver a segunda parte da entrevista e me ajudou com muitas dúvidas que tinha! Este blog é muito bom! Sigo e recomendo sempre! Obrigada!
    Um beijo,
    Priscila Guerra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos seu carinho, Priscila! Nosso objetivo é o de poder informar e ajudar sempre! Continue acompanhando nosso blog e participe também dos nossos grupos no Facebook! Beijoss

      Excluir
  4. Nossa, não tinha ideia de como estes exames são importantes para diagnóstico. meu médico só me mandou fazer o CA125!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amiga! Sim, é verdade. Os exames de imagem auxiliam e completam a hipótese diagnóstica e são realmente muito importantes de serem feitos! Agradecemos sua participação e continue nos acompanhando no blog e também nos nossos grupos de discussão no Facebook! bjss

      Excluir
  5. Oi para todos !!! Fui diagnóstica com endometriose profunda no dia 22/11/12 a 6 dias atrás. Mas como todas nós sabemos é uma doença de difícil diagnóstico, por ainda não ter profissionais capacitados no assunto. E de idas e vindas de consultório em consultório, comecei a pesquisar o assunto pela internet, a uns anos atrás. Há umas duas semanas entrei num blog que falava de um exame chamado: Ultrasson transvaginal com doppler colorido para pesquisa da endometriose profunda. No mesmo instante liguei para minha ginecologista e pedi uma requisição para fazer este exame. Marquei ele no dia 22/11/12 na clinica do Dr. Kleber Chagas, um especialista no assunto. Para minha não surpresa o diagnóstico foi dado: Endometriose Profunda com praticamente 50% do meu intestino comprometido. Há 3 anos que vinha sentindo dores terríveis no período da menstruação, parecia umas facadas atrás, e sempre relatava isso para os médicos, mas eles despreparados no assunto não diagnosticavam nada. Meu CA 125 deu bem alto, acima de 100 o Dr. Kleber Chagas me disse que seguramente é endometriose profunda. Mas quem tem esta doença, (a profunda, que acomete o reto) NÃO sente dores nas relações sexuais, somente se, a mulher estiver deitada de costas em cima do parceiro no ato sexual. Em conversa com Dr. Kleber ele disse que no Brasil tem somente 8 médicos estudados no assunto da endometriose profunda, 1 fica no Rio Grande do Sul, 1 na Bahia (que é onde fiz o exame) e os outros 6 ficam no estado de São Paulo. Disse também que a videolaparoscopia na identificação desta doença NÃO é visível, identificaria somente a endometriose se estivesse alojada no útero, ovário, trompas, não visualizando os órgãos que ficam atrás, que é o caso do intestino. Sai do consultório no dia 22/11/12 aliviada, por um lado, pois haviam descoberto a raiz de minhas dores e a partir daí ir atrás do tratamento. Estou com uma requisição para fazer 2 exames: Colonoscopia e Histerossalpingografia. Com a orientação destes 2 profissionais Dra. Joelsa (minha ginecologista) e Dr. Kleber Chagas (especialista endometriose profunda) me passaram o ALLURENE para tomar por 6 meses, começo ele no domingo, dia 02/12/12 e daqui 6 meses repetir os exames novamente. Estou confiante, não no Allurene, mas em Deus, porque ELE é poderoso para operar no sobrenatural. Cada comprimido que tomar será debaixo de oração para que Deus esteja se utilizando deste método também para me curar. Meu sonho e de meu esposo é de termos filhos, e estamos tentando ter, na certeza de que Deus fará O Milagre. Que o Senhor Jesus esteja abençoando cada mulher que tem este diagnóstico da endometriose, porque maior do que esta doença é O NOSSO DEUS. Um beijão em todas vocês.

    ResponderExcluir
  6. Oi.
    Tenho esdometriose e a ressonancia é um dos exames q ainda não fiz.Será q estou com o médico certo???

    ResponderExcluir
  7. BOA UEM ENDOMETRIOSE PODE FAZER DRENAGENLINFATICA NA BARRIGA.........

    ResponderExcluir
  8. ja tenho o diagnostico de endometriose já fiz 2 cirurgias e agora estão me indicando uma terceira.

    to com 2 lesoes intestinais
    tenho muitas dores nas costas e colicas frequentes.
    qual tratametno indicado pois ja tentei de tudo e nada deu certo.
    tomei alurene , e nada.

    o que seria mais indicado para aliviar os sintomas.


    carla

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Carla!!!

      Porque uma terceira cirurgia? Nas duas primeiras não sabiam dos focos intestinais ou você continuou menstruando normal?
      O ideal é que você faça todos os exames específicos antes para que faça o minimo de cirurgias possíveis, principalmente, por conta das aderências. Através desses exames, o médico já pode traçar a equipe que vai entrar no seu procedimento.
      Caso você continue com dores, mesmo apos a cirurgia ( e sem tá com nenhum foco ativo ou visível da doença), seria bom você investigar outros tipos de endometriose.
      O allurene é uma medicação nova, bem especifica para endometriose, que vem com a proposta de reduzir os focos. Mas lembre-se de que o tratamento as vezes é um pouco lento.
      Bjs e melhoras

      Excluir
  9. Li os dois documentarios sobre endrometriose, hj fiz uma ultrasonografia pelvica e foi detectado uma possivel endometriose, mas fico em duvida pois alem das colicas,excesso de sangramento e dor na relação sexual, estou com muita dor no llado direito das costas na regiao mais ou menos da bacia e me da ate fadiga , qro saber se é consequencia desta possivel endometriose? agradeço desde ja

    ResponderExcluir
  10. Olá, estou com um mioma, um sisto e meu ovário direito está com 24mm². Fiquei assustada com a ultra transvaginal que mostrou isso. Estou em uma batalha para encontrar um bom ginecologista obstetra. A última médica que fui fez pouco caso e nem olhou direito os meus exames. Parece que os médicos não levam em consideração quando falamos que sintimos muita dor. Parecem tratar sempre como frescura, mas não é. Minha vida praticamente para todo mês, fico inválida na cama com as dores que sinto durante a menstruação e com muita fadiga tb. Vou fazer a resonância magnética esse semana e estou torcendo pelo melhor.
    Vou acompanhar o site para ter mais informações quando me consultar. Obrigada pelo serviço que vcs prestam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, fiz a ressonância e já peguei o resultado assim que saiu. Nele tem muitas informações que me preocupam. Segundo a ressonância da pelve, eu tenho um Mioma intramural de uns 6cm, cistos no ovário esquerdo, um endometrioma no direito e pelo o que diz, um indicativo de endometriose profunda no útero saco esquerdo. Estou assustadíssima, tb pq tive um sangramento fora de época. Mudei de ginecologista, mas vou correr atrás de indicações de profissionais aqui do Rio, agradeceria se alguém puder me recomendar um. Estou , pela primeira vez, preocupada com a impossibilidade de engravidar no futuro. É difícil falar sobre isso com as pessoas, sobretudo, mulheres... Meu marido levou numa boa até agora, mas eu não. Choro só de pensar. Obrigada por ter esse espaço aqui para desabafar.

      Excluir
    2. O seu caso é o de muitas...Tenha fé..Abraço!
      Ana Paula Santos

      Excluir
  11. ola sinto muita dor no reto no periodo menstrual o devo fazer

    ResponderExcluir
  12. ola sinto muita dor no reto quando estou menstruada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amiga! Esta dor no reto que aparece especialmente quando está menstruada, pode ser sinal da presença da Endometriose. Nossa sugestão é que marque uma consulta com um ginecologista especialista em Endometriose para que possa realizar exames adequados a fim de diagnosticar corretamente o que pode estar acontecendo! Faça isto o quanto antes! Se necessitar de indicação médica, entre em contato conosco através do e-mail: gapendi@hotmail.com
      bjssss

      Excluir
  13. Hoje irei fazer um exame de ressonância da cavidade inferior a ginecologista pediu pois suspeita de endometriose, depois de ler os textos estou insegura sobre se o exame é o certo e se sera feito da maneira correta.

    Eu tenho 22 anos, sinto cólicas incapacitantes desde a primeira vez que menstruei, mas há um ano as dores vem acompanhadas durante o período menstrual pontadas agudas na hora de evacuar, alem das cólicas fortes.

    Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resultado deu positivo para endometriose.

      Excluir
  14. Olá, é possível que a endometriose não apareça em ressonância?

    ResponderExcluir
  15. Minha médica está suspeitando que eu tenha endometriose. Me passou uma ressonancia magnetica com contraste e mandou que eu fizesse uso de anticoncepcional durante todo o período, sem dar pausa para menstruação. Esse procedimento atrapalha o resultado de ressonancia?
    Grata
    Dan

    ResponderExcluir
  16. É possível a endometriose se apresentar somente na forma de cistos no ovário? Não aparecendo nenhum implante.

    ResponderExcluir
  17. Boa noite.
    Quero dividir minha experiência com vocês.
    Em 06/08/2012 eu comecei a sentir dores muito fortes na região do abdômen acompanhada de diarreia e vômito. No dia seguinte procurei auxilio médico. Passei uma semana indo no Pronto Atendimento do hospital que meu plano de saúde atendia. Eu fiz todos os exames possíveis para encontrar o motivo pelo qual sentia dor e meu exame de sangue dava uma alteração. Após fazer de tudo o médico resolveu me internar. Após realizar alguns exames o médico resolveu me liberar, vez que não detectou nada que justificasse a dor e minha permanência no hospital.
    Eu comecei a fazer um tratamento com o gastro, mas sem sucesso.
    No dia 25/09/2013, isso mesmo, mais de um ano depois, durante uma consulta de rotina com o Ginecologista relatei o que havia acontecido. Ele então resolveu fazer um exame de toque e descobriu que alguma coisa não estava correta e me orientou a fazer uma Laparoscopia, já suspeitando de endometriose. Eu fiz um Ultrassom Endovaginal e não acusou nada.
    Pois bem. No dia 30/10/2013 eu fiz a Laparoscopia e fui diagnosticada com Endometriose. Os foscos estavam atrás do útero. O médico cauterizou os focos e me orientou a fazer o uso de anticoncepcional e engravidar o quanto antes. Eu tenho 25 anos, já tive um aborto espontâneo e meu maior sonho é ter um filho.
    Sou muito religiosa e peço a Deus todos os dias para que eu seja merecedora de conceber um filho.
    Eu contei essa grande história para alertar que as vezes, mesmo quando os exames de imagem não acusam alguma coisa e você continua sentindo dor é importante investigar.
    Abraços e fiquem todos com Deus.


    Para saber mais de mim e entrar em contato acessem meu blog: risoselagrimasv@blogspot.com

    ResponderExcluir
  18. boa noite,estou a 9 meses com cólicas fortissimas,não há um dia que eu não a tenha,paro nas emergencias,sou diagnosticada como infecção urinaria,porem com cultura negativa sempre,enfim...ja fui chamada de maluca,quiseram que eu procurasse um psicologo,hj graças a deus achei em um hospital do SUS uma ginecologista que suspeitou de endometriose com focos na bexiga,estou realizando os exames...alguns já fiz porem nada constaram como transvaginal,ultrassom do trato urinário,urografia excretora e tomografia computadorizada e por fim uma video histeroscopia,exame no qual quase morri de dor,onde chorei muito e logo foi interrompido devido as grandes dores, .....todos sem sucesso...daqui a dois dias vou fazer uma ressonância,vamos ver oque vai dar...sendo que estou em duvidas se posso realizar este exame,pois fiquei menstruada...agora eis a questão fazer ou não,sera que ha algum problema esperei tanto pra na hora H .. O que mais quero é um tratamento correto,pois não aguento mais....todos os dias,meses,horas e minutos sentir dores.

    ResponderExcluir
  19. Boa noite!
    Fazem 15 anos que sofro com dores fortes e por isso durante um bom tempo tomei remédios para controlar meu fluxo menstrual e diminuir o desconforto, porém, era só parar a medicação que tudo voltava, cheguei a ouvir até que era normal, do meu organismo. Mas há 1 ano fui diagnosticada com endometriose, só que como tomo remédio a um tempinho, para controlar as dores menstruais, acabei sem querer acertando e contendo o crescimento de focos grandes. Já fiz duas ressonâncias, sem utilização de gel vaginal, e todas deram normais, e o médico continua afirmando que é endometriose, mesmo com a ressonância negativa. Estou tomando remédio específico para endometriose agora, mas gostaria de saber se pode acontecer isso da ressonância dar negativa e mesmo assim ser endometriose? Obrigada! Tatá, MG.

    ResponderExcluir
  20. Adorei os tópicos para o diagnóstico da endometriose, tirou algumas duvidas que eu tinha, mas eu gostaria de saber um coisa, pois eu cheguei a fazer a USG trans com preparo, porem o meu exame durou menos de 3 minutos e ela nem fez a USG abdominal e quando a questionei se estava certo o exame se ela tinha feito par pesquisa de endometriose ela falou que era assim e pronto. Sai de lá chateada pois ela colocou na conclusão do exame que meu útero estava ótimo. Ai vem a minha duvida, foi certo mesmo o exame??? Eu cheguei a pedir para o medico para fazer a ressonância, mas ele não quis passar, mesmo eu falando como foi o exame, passei em outra médica, que passou para fazer exame de sangue e urina e TB a USG da bexiga mas ainda levarei os exames para ela ver dia 07/01/14. Posso já pedir para ela para fazer a video laparoscopia mesmo o USG trans ter sido feito " errado"???

    Desde já obrigado.
    Bjos Carol Costa

    ResponderExcluir
  21. Após uma pequena alteração no exame CA 125 (35,7) , minha ginecologista indicou RM de Pelve e Ultrassom Transvaginal com preparo intestinal.
    O resultado da RM foi a seguinte:

    Sinais de endometriose envolvendo a cavidade pélvica peritoneal nos níveis assinalados na tabela abaixo,

    comprometendo predominantemente os espaços retrocervical e retrovaginal e os ligamentos útero-sacro

    bilateralmente.

    Locais de Endometriose

    Compartimento posterior
    Nódulo retrocervical 2,0cm

    Vagina
    Retrovaginal

    Ligamentos útero-sacro
    Direito/ Esquerdo

    Os outros orgãos (Bexiga, Ovários, Uretra, Vagina e canal anal estão normais.

    Ainda não fiz o ultrassom transvaginal com preparo intestinal, pois a maioria dos planos não cobre e o exame é

    muito caro, mas gostaria de uma ajuda com relação ao resultado do exame.
    Não tenho nenhum dos sintomas de endometriose (Cólicas muito fortes, dores na relação sexual ...)
    Aguardo um retorno, pois gostaria de passar um final de ano mais contente.

    ResponderExcluir
  22. Onde a Dra. Luciana atende ? podem passar endereço e telefone?

    ResponderExcluir
  23. Ola !
    Meu nome e gisele tenho 22 anos, casada, e tenho fortes dores, muita colica e sofro com infertilidade,fui ao gineco e ele me falo que poderia ser endometriose devido aos sitomas, me pediu para fazer uma videolaparoscopia. Nao sei oque fazer, nao consigo se quer trabalhar pois as dores sao fortes e nao tem dia e hora, sem contar que meu sonho e ser mae.
    Depois dessa videolaparoscopia, fica melhor e posso ter uma vida normal?
    beijos.

    ResponderExcluir
  24. Vou fazer mapeamento da endometriose amanha e mentruei e possível fazer o exame menstruada? Alguem poderrria me responder pq estou no preparo com laxantes.

    ResponderExcluir
  25. Olá qual o preparo para ressonancia?

    ResponderExcluir